From the monthly archives: dezembro 2007

divulgação

Air Formation

Uma das melhores bandas pra mim esse ano – uma descoberta – é essa banda do sul da Inglaterra, Air Formation.

Já vi três shows dos caras, e não me arrependo, por exemplo, de ter ido até Brighton esse fim de semana para vê-los novamente. Sou fanática por shoegaze (ahem) e Air Formation faz um super shoegaze, de primeiríssima classe. O álbum mais recente deles, Daylight Storms, é belíssimo, e vale a pena ser conferido. ‘I can’t remember waking up’ tornou-se pra mim, instantaneamente, uma das minhas músicas favoritas. Como outras canções no álbum, Air Formation tem um som pesado mas ao mesmo tempo leve, com vocais etéreos e melodias que, na minha opinião, mexe com quem gosta de shoegaze. O legal também é que o selo da banda (Club AC30) lança várias outras bandas shoegaze, o que pra mim é um paraíso.

O som no show deles estava bem alto, como sempre se deve ser! Fãs de Slowdive, Ride e MBV por exemplo, acho que gostariam de Air Formation.

O fim de semana em Brighton, no entanto, terminou após o show no sábado a noite. Durante a noite, uma tempestade de vento chega à cidade. Muito louco: as ondas, o vento… Pois afinal de contas, uma das coisas que pode-se sempre confiar aqui é que o tempo estará ruim. Pura verdade. Então, fomos para Londres, à procura de um café, fomos parar na loja Selfridges… e quem é que vemos lá? Ninguém menos que Damon Albarn! Yay! Assim foi a minha mini- aventura no último fim de semana. Abraços e até mais ver.

Escrito por Aline


Tagged with:
 

The Ten Bells

Bem, hoje foi assim: manhã chuvosa, fria e ventosa, clima típico desta época do ano em Londres (pré-inverno).
Nada me impediu, depois de um café-da-manhã bem reforçado, de dar uma passadinha num dos lugares mais legais da cidade.
Estou falando da região de Brick Lane, Hoxton, Shoeridict e Old Street around.

CSS, Fisherspooner, Wry, Simian Mobile Disco e outras bandas, já passaram e marcaram presença por esses lugares. A cena do Novo Rock começa por aqui. Primeiro uma passadinha num Pub chamado The Ten Bells, fundado em 1666.

Daí, direto para 93 Feet East, onde rolava um som bem legal na levada de Pixeltan. O lance aqui é para falar de Trevor Jackson. O cara é produtor musical e DJ, também é responsável pelo lançamento de bandas novas, sem contar que ele também tem uma parcela no selo Marine Records (aka Adam Freeland+Fabric).

A filosofia dele é a seguinte: ‘Hear new sounds’. Para quem não o conhece, ele já produziu Soulwax, the Rapture e o último single do Gossip. Esses são apenas três nomes de uma longa lista. Ele ressalta: ‘I’m driven by passion for all the stuff. If I don’t feel passion, I can’t do it’. Isso porque ele não bebe muito menos fuma (bom, não sei), mas ele é genuíno naquilo que faz.

Trevor também coopera com o selo alternativo Output, um dos nomes mais respeitados aqui em Londres para este tipo de produção. Outros nomes para a lista: Four Tet, LCD Soundsystem e Playgroup.

Trabalhar com música alternativa é mais interessante porque atinge um público diferente e mais interado, sem contar que hoje em dia tem muita grana rolando e pouca qualidade. Um dos seus recentes projetos foi apresentar um curta-metragem no IMAX em Waterloo.

Se você se interessou e quiser saber mais sobre os trabalhos de Trevor Jackson, está aqui o link.  Have a nice week all of you e no próximo texto falarei de Amsterdam.

Laters.

Escrito por Rodrigo

Tagged with:
 

“One day we’re gonna live in Paris,
I promisse”

Saiu hoje na Inglaterra o single “Paris” do ótimo Friendly Fires. Difícil não dizer que este é o single do ano. A música tem uma magia especial que envolve e cai tão bem que… Bom, veja você mesmo o clipe.

Tagged with:
 

Ross, do the Ghost Frequency: diploma em Ciência da Computação e eficácia master nos teclados.

Programa novo no ar. E ele vem para avisar que os fantasmas estão por toda parte. Vamos destacar dois deles, primeiro o Holy Ghost, de New York City. Como todo mundo que mora no Brooklyn, os caras do Holy Ghost não são diferentes: a batida dance presente no som que tem uma levada bem eighties (80’s) mas com um ar bem thousands (00’s). “Hold On” é o warm up perfeito para qualquer balada. Bebe na fonte do !!!, mas sem copiar. É beeem legal!

Do outro lado do Atlântico vem o the Ghost Frequency (foto). Banda inglesa baseada em Londres, com som absurdo suficiente para mesclar batidas de funk carioca e guitarras pesadas com sintetizadores electro, que nem mesmo o Fisherspooner soube fazer.

Isso sem contar os nomes das músicas que podem variar entre algo tipo “Never Before Have I Seen A Man Alive That Looks So Exactly Like A Skeleton”, ou simplesmente: “Nightmare”.

O the Ghost Frequency deve entrar em estúdio em janeiro, quando eles terão finalmente uma pausa entre os shows insanos que a banda vem fazendo pelo Reino Unido. Material novo deve sair no começo de 2008.

Ouve lá! Tudo isso e muito mais na segunda edição online do Studio Eleven, ali ao lado, no “botão azul” hehe.

Enjoy!

Tagged with: