Currently viewing the tag: "Andy Rourke"

s11_ms-9

O primeiro contato do Studio11 com Andy Rourke foi há 2 anos atrás, em Nova York, quando fomos cobrir o festival CMJ Music Marathon. Andy estava discotecando em uma festa RSVP, na SmartLounge, que fica no sétimo andar do Hotel Thompson (190 Allen St), bem ali no LES em Manhattan.

Na época, Andy apresentava o Jetlag, seu programa de rádio ao vivo nas noites de segunda-feira pela East Village Radio. Tinhamos assunto de sobra, trocamos figurinhas. Hoje Rourke elevou o Jetlag ao status de banda e está prestes a lançar seu primeiro LP. Além disso, viaja o mundo se apresentando como DJ. Ele encontrou um tempinho em sua agenda lotada para gravar um DJ set especial para o nosso aniversário de 11 anos e hoje assume a programação da casa.

O que vamos ouvir no link abaixo é um mixtape gravado por quem entende do assunto, o cara que foi o baixista da maior e mais influente banda inglesa dos anos 80, o The Smiths. Senhoras e senhores,  Andy Rourke!


Studio Eleven Mixtape Series – Andy Rourke

01. Tame Impala – Apocalypse Dream
02. The Equals – Funky Like A Train
03. The Clash – Train In Vain
04. Ian Brown – The Sweet Fantastic
05. Aretha Franklin – Rock Steady
06. The Family Rain – Trust Me I’m a Genius
07. Go Home Production – Rapture Riders
08. Elvis – Mystery Train
09. Primal Scream/Kate Moss – Some Velvet Morning
10. Parquet Courts – Yr No Stoner
11. Johnny Marr – Generate! Generate!

 

Matthew Murphy and The Wombats tocam para o público lotado do Webster Hall em Nova York.

Sob uma chuva que durou 24 horas non stop, a maratona de shows do CMJ seguiu com ótimos shows e casas lotadas. Um dos destaques do dia foi o showcase da revista americana Spin, que em parceria com a Puma, está levando bandas muito legais para tocar dentro da loja da marca, na Union Square. Ontem dentro deste line up se apresentaram o U.S Royalty, Weekend e Dom, em performances de aquecimento para os shows da noite.  A Spin oferece também um download gratuito  com as bandas mais legais que estão tocando no CMJ. Para baixar o seu, é só curtir a página deles no Facebook.

Das mais de 1000 bandas que se apresentam essa seamana no CMJ, entre as que merecem destaque está o Weekend.  O power trio de São Francisco toca alto e bom som, com muita técnica, barulho,  distorção e energia de sobra. Os efeitos no baixo e voz são impressionantes.

San Francisco's post punk outfit Weekend, em performance ao vivo no CMJ 2011.

Enquanto isso, no Webster Hall, o The Postelles preparava o público lotado para o show do The Wombats. Com o disco de estreia produzido pelo Stroke Albert Hammond Jr, os Postelles já têm público fiel em Nova York e estão bem próximos de ser um dos grandes nomes da música pop  com um single que deve ferver o verão de 2012. A música em questão, tem cara de hit instantâneo e quando foi tocada ontem, o público chacoalhou o Webster Hall.

Os novaiorquinnos

Os novaiorquinos The Postelles em performance ao vivo ontem no Webster Hall em Nova York.

Depois do show fantástico dos Postelles, era a vez do The Wombats subir ao palco. A banda que está em extensa turnê mundial (tocaram em Adelaide 2 dias atrás ) fez um show mesclando as músicas do seu novo álbum com os hits mais antigos. O maior barato foi ver o público cantando “Dancing in the Dark” do Bruce Springsteen, que tocou antes da banda entrar no palco.  A música foi cantada em coro por todo mundo, inclusive a molecada que estava nascendo quando ela foi lançada.

Daí o Wombats entrou em cena e fez assim:

Dentro da programação de ontem, aconteceu também uma noite voltada para a música brasileira, no Dominion, que fica na Lafayette St. Cheguei por lá na metade do show da Beatriz Azevedo, que mandava uma bossa nova até legal de ouvir. Mas infelizmente ela não teve muita sorte quanto ao seu horário e o show dela foi cortado na metade. Desnescessário mencionar que ela ficou p* da vida, mas horário é horário. Ainda bem que a banda a seguir era o experiente Holger,  em meio a uma  turnê de 30 shows pelos Estados Unidos,  fez um sound check rapidinho e começou o show que salvou a “noite brasileira” de um  fiasco. O público estava esparramado, mas assim que o Holger começou a primeira música, o povo foi chegando e enchendo o Dominion. Eles tocaram músicas novas, e algumas do álbum “Sunga”  “que significa Speedo em português” disse o vocalista.  O show foi animado e eles mandaram tão bem que na última música, a organização veio avisar que eles podiam tocar mais uma. E olha o que eles fizeram com “Hey” do Pixies…

24 Hour Party People

Outra coisa bacana do CMJ são as festas, aquelas que só entra com o nome na lista. Ontem, quem fez um DJ set impressionante foi o ilustríssimo Andy Routke, baixista do The Smiths. A festa aconteceu em um lounge que fica no 7º andar de um hotel na Allen Street. Estava tão lotada a ponto de não ter como andar lá dentro. Andy Rourke colocou o povo pra dançar ao som de Primal Scream a Dee-Lite.

Falando em festa, vou indo nessa que  hoje a lista de shows está grande: Unknown Mortal Orchestra, Givers, Chad Valley, Jacuzzi Boys, Portugal. The Man, Black Taxi, Motel Beds e Kelley Deal, We Are Scientists, Lissy Trullie, Caveman, Friends, Robbers On High Street, Metronomy, J Mascis, Penguin Prison, Weekend, Arts Vs Science, Dum Dum Girls, Beat Connection, etc…

Amanhã tem mais.

Tagged with: